Revista Profissional do Exército dos EUA

Edição Brasileira

Artigos Exclusivamente On-line de Julho de 2017

Banco de Sono

Aperfeiçoando a Gestão de Combatentes

Maj Amy Thompson, Exército dos EUA
Cap Brad Jones, Exército dos EUA
Cap Jordan Thornburg, Exército dos EUA

Artigo publicado em: 6 de julho de 2017

Download the PDF

Um sargento dá apoio

A 1a Brigada de Combate Blindada da 1a Divisão de Infantaria foi escolhida, em 2015, para participar do programa piloto “Performance Triad” (“Tríade de Performance”), encabeçado pela Diretoria de Saúde do Exército americano (Office of the Surgeon General — OTSG)1. Esse programa se concentra em nossas necessidades básicas biológicas — sono, atividade e nutrição —, todas muito importantes para sobrevivência, saúde, desempenho, segurança e prontidão2. O objetivo do programa é melhorar a saúde da Força e otimizar o desempenho humano. A saúde é a base da prontidão, e a prontidão é a primeira prioridade do Exército3. O foco deste artigo é o sono.

Em dezembro de 2015, o oficial de saúde da Brigada foi convidado para participar da Conferência do Exército sobre o Sono, na sede do OTSG. Um grupo de trabalho diversificado, composto por chefes militares e pelos melhores pesquisadores no campo da Ciência do Sono, participaram da conferência para discutir o impacto que o sono tem no desempenho, na saúde, na segurança e na prontidão. Muitos especialistas conseguiram argumentar, convincentemente, no decorrer da conferência, que a duração do sono, a debilitação durante o dia e a fadiga estão, significativamente, relacionados com: desempenho cognitivo diminuído, saúde física deficiente, depressão, ideação suicida, acidentes rodoviários e acidentes de trabalho. Durante toda a conferência, os participantes discutiram, especificamente, o banco de sono como uma forma para otimizar o sono e melhorar o desempenho. Resultados significativos de pesquisas mostram que o sono pode ser “acumulado” antes de períodos restrição do sono, para melhorar a atenção e o desempenho, e que isso contribui para uma recuperação mais rápida das debilitações induzidas pela fadiga4. O banco de sono pode ser planejado, operacionalizado e incorporado estrategicamente antes de um reconhecido período de privação do sono, para gerar ganhos em performance, quando o risco é elevado. A criação de um banco de sono antes de um tempo de privação pode ser a diferença entre a vitória e a derrota — ou a vida e a morte.

A Fadiga da Força

O sono beneficia o cérebro. Por outro lado, a falta do sono provoca a desativação de partes do cérebro, especialmente as regiões que funcionam como intermediárias entre o desempenho cognitivo e o estado de alerta. Frequentemente, as deficiências no desempenho resultam dos efeitos da falta do sono combinado com um desalinhamento do ritmo circadiano5. A curto prazo, as consequências da falta do sono são déficit de atenção, reações mais lentas, atenção reduzida, resolução de problemas debilitada e motivação diminuída6.

Um estudo da RAND Corporation, de 2015, relatou que 72% dos militares dormem menos de sete horas por noite, e 23% menos de seis7. Dormir rotineiramente cinco a seis horas por noite é como funcionar com um nível de álcool no sangue de 0,08%8. Menos de sete horas de sono por três ou mais dias consecutivos corresponde a uma redução em 20% do desempenho cognitivo9. Em 2014, a fadiga era um fator contribuinte em 628 acidentes e 32 mortes no Exército10. A falta do sono resulta em déficits que afetam a eficácia de desempenho e a segurança em ambientes operacionais e não operacionais

O sono é uma necessidade biológica e é criticamente importante para a saúde dos militares. A falta do sono e o crescente número de transtornos do sono entre militares são uma grande preocupação de saúde pública. Em 2014, 14% dos militares, em todo o Exército, foram diagnosticados com transtorno do sono11. Aqueles com carência de sono têm mais probabilidades de sofrer de doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, depressão, obesidade e câncer. Assim, tendem ter uma taxa de mortalidade mais elevada, uma qualidade de vida inferior e menos produtividade em geral12. O sono — ou a falta dele — representa um assunto de saúde, segurança e prontidão. Com a prontidão em jogo, já não podemos ignorar a fadiga da Força ou permitir que as barreiras culturais continuem a inibir melhorias que combatam esse grande problema de saúde pública. Nas organizações do Exército, perder não é uma opção. O custo do desempenho deficiente é alto, então a mitigação dos riscos associados com a falta do sono e a fadiga é essencial.

Barreiras Culturais

Historicamente, a cultura militar não prioriza o sono. Isso é evidente em um slogan de recrutamento bem conhecido do Exército: “Fazemos mais antes das 0900 horas do que a maioria das pessoas faz o dia inteiro”. Sabemos que o sono ideal é crítico para o êxito da missão. Os soldados e comandantes associam a deficiência do sono com tempo de reação debilitado, falta de discernimento, acidentes e moral baixa. Contudo, apesar da degradação da missão, uma aceitação cultural do sono insuficiente e uma percepção que a falta do sono é a “maneira do Exército” prevalecem na Força13.

Militares do 40o Regimento de Cavalariao

A ideia de permitir que militares otimizem o sono, cheguem ao trabalho às 0900 horas e conduzam treinamento físico na parte tarde, por um período de sete a dez dias antes de um evento de treinamento, seria desconsiderada rapidamente em muitos círculos do Exército. No entanto, equipes de alto desempenho precisam se dispor a modificar as suas culturas, se o comportamento já não é produtivo. Ter um ambiente propício no comando da Brigada, um que fosse aberto à mudança, seria essencial para criar uma oportunidade para aprimorar a performance e conduzir uma avaliação sobre o banco de sono. O comandante da Brigada, depois de ser esclarecido sobre a Ciência por trás do banco de sono, incluindo discussões sobre outros estudos relacionados com sono e desempenho, como: o do Harvard Hospital, o do prolongamento do tempo de sono pela equipe de basquete da Stanford University, o do início adiado de escolas secundárias e o da Polícia de Harvard, determinou que uma das suas unidades subordinadas apoiasse o experimento. Depois de obter “aprovação” pelo escalão de comando superior, os comandantes subordinados promoveram a iniciativa nos níveis companhia e pelotão.

A Operacionalização do Banco de Sono

O conhecimento da Tríade de Performance, a participação da Brigada na Conferência do Exército sobre o Sono e um ambiente de comando que apoiava a iniciativa formaram a combinação adequada para impulsionar a operacionalização do banco de sono na Brigada. Incentivados pelo comando da Brigada, os comandantes das unidades subordinadas investiram, deliberadamente, na melhoria da gestão dos combatentes ao operacionalizar o banco de sono antes dos exercícios de tiro realizados por uma unidade de infantaria.

Como parte do experimento, o 2o Pelotão, da Companhia C (Charlie Company), do 3o Batalhão, do 66o Regimento Blindado, foi escolhido para criar um banco de sono antes de um exercício de adestramento em campanha, durante o qual a unidade utilizava a Tabela de Tiro VI15. Durante esse exercício, militares realizaram operações por 24 horas, dormindo quando possível — muitas vezes em uma viatura de combate Bradley (Bradley Fighting Vehicle — BFV) — e, tipicamente, obtendo entre três e cinco horas de sono por dia, por sete dias consecutivos, dependendo da função de comando desempenhada. O experimento comparou a pontuação da Tabela de Tiro VI do mesmo exercício, de outubro de 2015, com os do segundo exercício, de fevereiro de 2016, para determinar se o banco de sono afetou a performance no tiro. Além disso, os avaliadores recebiam feedback subjetivo dos militares durante a semana do banco de sono e durante o período de restrição do sono, para descobrir mais sobre os efeitos do banco de sono no desempenho, saúde e bem-estar. O comandante de companhia destinou tempo para que a equipe médica da Brigada ensinasse ao pelotão sobre a Ciência por trás do sono e os benefícios potenciais do banco de sono, antes do exercício.

Winter Quick Shot 2013

Para permitir que o pelotão criasse o banco de sono efetivamente, foi necessário um ajuste na rotina diária das atividades militares. Geralmente, o pelotão comparecia ao trabalho às 0600 horas, antes de começar o treinamento físico militar (TFM), às 0630 horas. Entre 05 e 14 de fevereiro de 2016, o comandante consentiu “inverter o TFM”, onde os militares passaram a comparecer ao trabalho às 0900 horas e conduzir o TFM na parte da tarde, às 1600 horas. Esse ajuste se alinhou melhor com o ritmo circadiano natural do sono, que é aproximadamente entre 2300 e 0700 (as melhores horas do sono são cedo de manhã, quando militares geralmente se preparam para o trabalho)16. Durante esse tempo de criação do banco de sono, os militares foram solicitados a manter um “diário do sono”, no qual anotavam suas horas de sono. Esses diários mostraram que durante o período de 10 dias antes do exercício, o pelotão conseguiu, em média, 8,9 horas de sono por noite, significativamente mais do que os cinco ou seis horas por noite reportadas antes do banco de sono.

Melhoria no Desempenho do Tiro

A pontuação na Tabela de Tiro VI (Habilitação de Tripulação) para o 2o Pelotão aumentou significativamente entre o exercício de outubro de 2015 (sem banco de sono) e o de fevereiro de 2016 (com banco de sono). Contudo, muitos fatores não foram controlados, incluindo substituição de pessoal, níveis de experiência dos militares, dinâmicas das tripulações, execução no polígono de tiros e aspectos de manutenção. Além disso, a unidade tinha quatro meses a mais de adestramento ao iniciar o último exercício (banco de sono).

Em outubro de 2015, duas das quatro tripulações do 2o Pelotão obtiveram habilitação na primeira tentativa, enquanto as outras duas precisaram de várias tentativas para satisfazer as exigências mínimas de habilitação (700 de 1.000 pontos e 7 de 10 dos engajamentos previstos). Ao completar o exercício, a pontuação média do pelotão em geral foi 756 de 1.000 pontos possíveis.

Em fevereiro de 2016, logo após um período de criação do banco de sono de uma semana, todas as tripulações do 2o Pelotão receberam a habilitação na primeira tentativa, e a pontuação média do pelotão aumentou 163 pontos, para 919 de 1.000 pontos possíveis. Além da pontuação melhor, o pelotão executou a Tabela de Tiro VI sem violações de segurança, acidentes ou ferimentos.

Feedback dos Militares e Comandantes e o Impacto na Saúde

Ao completar a Tabela de Tiro VI, todos os integrantes do pelotão foram questionados sobre como o banco de sono afetou a sua saúde e desempenho durante o exercício. O feedback subjectivo de todo o pelotão foi tremendamente positivo. Por exemplo, o feedback dos militares em todos os escalões até o comandante de batalhão indicou que o 2o Pelotão tinha níveis de moral e de motivação notavelmente mais elevados do que qualquer outra unidade por toda a sua semana da criação do banco de sono e durante sua semana do exercício no campo.

Os militares declararam que dormiram mais, em geral, o que afetou positivamente seu estado de ânimo, moral e motivação. Eles preferiram fazer o TFM nas tardes, relatando treinos mais produtivos, com maiores ganhos por estarem mais alertas e motivados, tendo mais energia (provavelmente devido a lanches realizados no decorrer do dia) e dormindo melhor durante a noite. Os militares revelaram que o TFM à tarde fez com que o seu dia inteiro fosse mais eficiente, com menos tempo desperdiçado, em geral. Por outro lado, o comando relatou ter mais dificuldade de fazer o TFM na parte da tarde porque muitos das suas reuniões foram marcadas no final do dia, com base em eventos da rotina militar tradicional.

Os soldados e comandantes revelaram, igualmente, que havia mais tempo de manhã com a família, menos estresse e irritabilidade, e muitos informaram que tomaram um melhor café da manhã. Da mesma forma, os militares que eram pais solteiros relataram menos estresse e apreciavam o fato de terem sido capazes de desacelerar o ritmo pela manhã, o que, também, afetava positivamente o nível de estresse dos seus filhos. Os soldados e comandantes descreveram um aumento na eficiência e produtividade, começando cedo de manhã e durando por todo o dia de trabalho. Segundo os comandantes, parecia que o pelotão estava mais feliz e possuía uma moral mais elevada, em geral.

Durante a semana no campo, os soldados e comandantes relataram que, ao iniciar a missão, se sentiam bem e não fatigados. Eles perceberam que estavam mais receptivos a novas informações e feedbacks e conseguiram compreender conhecimentos novos com mais rapidez. Notaram que estavam mais engajados e disseram que conseguiram lidar com tarefas com mais rapidez e eficiência. Os comandantes revelaram que a moral elevada continuou por todo o exercício de tiro. Não houve acidentes ou ferimentos reportados. Para o 2o Pelotão, parece que o banco de sono resultou em saúde, bem-estar, performance e qualidade de vida melhorados, tanto em casa quanto no trabalho.

O Caminho a Seguir na Gestão de Combatentes

A Companhia Charlie continuou a demonstrar como o banco de sono produziu uma melhoria na gestão dos combatentes. Depois depois da conclusão da Tabela de Tiro VI e com o desempenho ímpar do 2o Pelotão, o comandante de companhia implementou, estrategicamente, o banco de sono na sua companhia inteira, entre 5 e 13 de março de 2016, a semana anterior à execução da Tabela de Tiro XII. A iniciativa se revelou exitosa. Todos os três pelotões da Companhia Charlie receberam habilitação na Tabela de Tiro XII, com uma pontuação média de 79%. Para referência, o Exército considera 50% o mínimo para avançar para o adestramento coletivo, nível companhia.

Comandante do Comando Operativo do 3<sup>o</sup> Batalhão, 66<sup>o</sup> Regimento Blindado

De novo, o feedback dos soldados e comandantes indicou impactos positivos avassaladores através de todos os aspectos de desempenho, saúde, segurança e qualidade de vida. O comandante relatou que o banco de sono contribuiu para o aumento da moral e melhoria da saúde mental de todos os militares. Ele percebeu uma maior motivação no TFM à tarde e durante tarefas cotidianas, concluindo que o banco de sono levou a uma melhor qualidade de vida para os seus soldados, em geral.

Conclusão

O estabelecimento de um banco de sono, entre sete e dez dias antes de um conhecido período de privação de sono, tem um impacto positivo no desempenho e na saúde. A “inversão de TFM” permite que militares possam otimizar o sono e obter duas ou três horas adicionais porque se alinha com o ritmo circadiano natural. Os comandantes são responsáveis pela implementação de estratégias planejadas de controle do sono e pela garantia que sejam incluídas no planejamento de missões quando períodos de privação de sono são esperados. Os benefícios que já são comprovados pela Ciência do Sono e pelas pesquisas feitas por outras organizações, não podem ser desconsiderados. A Tríade de Performance nos ensinou que a ênfase no sono, por parte do comandante, precisa ser equivalente à sua ênfase na aptidão física, se esperarmos um desempenho ideal17. O Exército deve continuar a melhorar a gestão de combatentes ao operacionalizar o sono. O banco de sono melhora a saúde e a segurança de militares e aprimora a prontidão das unidades.

Referências

  1. Tim Hrenchir, “Army ‘Triad’ Pilot Program Encourages Soldiers to Take Better Care of Themselves,” Topeka Capital-Journal online, 20 Dec. 2015, acesso em: 30 set. 2016, http://cjonline.com/news/2015-12-20/army-triad-pilot-program-encourages-soldiers-take-better-care-themselves#.
  2. Army Medical Department, Performance Triad: A Leader’s Guide and Planner, Army Medicine website, acesso em: 30 set. 2016, http://armymedicine.mil/Documents/LeadersGuide_Planner_08_07_2013.pdf.
  3. Mark A. Milley, “39th Chief of Staff of the Army Initial Message to the Army,” acesso em: 30 set. 2016, https://www.army.mil/e2/rv5_downloads/leaders/csa/Initial_Message_39th_CSA.pdf.
  4. Tracy Rupp et al., “Banking Sleep: Realization of Benefits During Subsequent Sleep Restriction and Recovery,” Sleep 32, no. 3 (2009): p. 311–21.
  5. “Circadian Rhythms Fact Sheet,” National Institute of General Medical Sciences website, acesso em: 30 set. 2016, https://www.nigms.nih.gov/Education/Pages/Factsheet_CircadianRhythms.aspx.
  6. Rupp, “Banking Sleep.”
  7. Wendy M. Troxel et al., Sleep in the Military: Promoting Healthy Sleep Among U.S. Servicemembers (Santa Monica, CA: RAND Corporation, 2015), p. 16.
  8. Office of the Surgeon General (OTSG), Health of the Force, Army Public Health Center (Provisional) Health of the Force Report, November 2015, p. 11, acesso em: 30 set. 2016, https://www.army.mil/e2/c/downloads/419337.pdf.
  9. Ibid., p. 5.
  10. Ibid.
  11. Ibid., p. 2.
  12. Centers for Disease Control and Prevention (CDC), “Sleep and Sleep Disorders,” CDC website, acesso em: 30 set. 2016, http://www.cdc.gov/Sleep/index.html.
  13. OTSG, Health of the Force, p. 9.
  14. Christopher P. Landrigan et al., “Effect of Reducing Interns’ Work Hours on Serious Medical Errors in Intensive Care Units,” New England Journal of Medicine 351 (2004): p. 1838–48; Cheri D. Mah et al., “The Effects of Sleep Extension on the Athletic Performance of Collegiate Basketball Players,” Sleep 34, no. 7 (2011): p. 943–50; Judith A. Owens, Katherine Belon e Patricia Moss, “Impact of Delaying School Start Time on Adolescent Sleep, Mood, and Behavior,” Archives of Pediatric and Adolescent Medicine 164, no. 7 (2010): p. 608–14; Shantha M. W. Rajaratnam et al., “Sleep Disorders, Health, Safety in Police Officers,” Journal of American Medical Association 306, no. 23 (2011): p. 2567–78.
  15. As tabelas de tiro das viaturas de combate Bradley (Bradley Fighting Vehicle — BFV) variam desde Tabela I (Habilidades Críticas de Tripulação) até Tabela XII (Habilitação de Pelotão). A Tabela VI é a Habilitação de Tripulação, executada pelas tripulações individuais das BFV (nas tabelas subsequentes, as BFV operam em equipes). A Tabela VI acarreta engajamento com alvos fixos e em movimento com todos os sistemas de armas (arma principal e metralhadoras) tanto em posição fixa e em movimento.
  16. Owens, Belon e Moss, “Impact of Delaying School Start Time.”
  17. Robert Abrams, U.S. Army Forces Command (FORSCOM) Command Training Guidance, 19 October 2015, citado em: OTSG, Health of the Force, p. 6.
 

O Major Amy Thompson, Exército dos EUA, é a Oficial de Saúde da 1a Brigada de Combate Blindada, 1a Divisão de Infantaria.

O Capitão Brad Jones, Exército dos EUA, é o Comandante da Companhia C, 3o Batalhão, 66o Regimento Blindado, 1a Brigada de Combate Blindada, 1a Divisão de Infantaria.

O Capitão Jordan Thornburg, Exército dos EUA, é o médico do 3o Batalhão, 66o Regimento Blindado, 1a Brigada de Combate Blindada, 1a Divisão de Infantaria.